O que fazer em Salvador? Os 18 Melhores Passeios e Atrações da Região

Se tem uma viagem que vale a pena, essa viagem é a Salvador. Mas, você sabe o que fazer em Salvador?

Afinal, a cidade de povo alegre, de Dorival Caymmi, de Vinicius, de Jorge Amado e de Zelia Gattai, respira cultura, religiosidade e história, além de encantar com suas belezas naturais e com um pôr-do-sol de tirar o fôlego.

Em Salvador, há atrações de todos os tipos. Do sincretismo religioso da Igreja do Senhor do Bonfim, passando pela beleza ímpar da Igreja e Convento de São Francisco.

Chegando aos momentos de diversão no Rio Vermelho, para se deliciar com um acarajé, tudo é motivo para contemplação.

As opções, acredite, são muitas.

Mas, como nosso intuito é mostrar o que fazer em Salvador sem ficar em cima do muro, vamos mostrar ao longo deste texto alguns dos pontos mais visitados pelos turistas – além, é claro, dos mais queridos pelos próprios moradores da capital baiana.

Vamos lá?

Como chegar em Salvador?

Salvador é uma das mais importantes capitais do nordeste brasileiro, e é muito bem servida de opções para se chegar até ela.

Se você for de avião, a melhor maneira de ir à capital da Bahia é através do Aeroporto Internacional de Salvador, que tem voos partindo dos principais aeroportos do sudeste. 

Se a opção for o carro, os acessos a Salvador são pela BR-116 e pela BR-101.

Caso decida ir de ônibus, o terminal rodoviário Armando Viana de Castro é muito bem servido, recebendo ônibus de 19 empresas diferentes.

Clima e melhor época para visitar Salvador

Antes de mostrarmos o que fazer em Salvador, vamos tentar definir “quando” ir à cidade.

Apesar de a temperatura ser similar durante o ano todo – a mínima gira em torno dos 24 °C, e dificilmente baixa de 21 °C nos meses mais frios -, há um período que talvez seja bom evitar.

Entre abril e julho, a capital baiana enfrenta seu período de chuvas, então não parece ser o melhor período para uma viagem, sobretudo se você estiver disposto a curtir uma praia.

A época mais cara, claro, é no período de carnaval.

Como você sabe, Salvador tem um dos carnavais mais famosos do Brasil, por isso se torna um destino muito procurado no mês de fevereiro.

Assim, a passagem aérea e a hospedagem se tornam especialmente salgadas.

O período de réveillon, por sua vez, não é tão badalado.

E o fim de ano é justamente a melhor época para se viajar! Apesar de ser alta temporada, os preços para ir à Bahia não chegam a ser proibitivos. E a temperatura será a melhor possível.

Portanto, já sabe: se quer aproveitar o melhor do clima sem necessariamente fugir da alta temporada, opte por viajar entre dezembro e janeiro.

O que fazer em Salvador: seis praias e oitos pontos turísticos a se explorar 

Agora que você já sabe quando ir, vamos ajudá-lo a decidir o que fazer em Salvador

Há uma infinidade de opções, das mais tranquilas às mais agitadas.

Por isso, na nossa lista, decidimos fazer uma mescla. Vamos apresentar algumas das praias mais famosas e alguns dos pontos turísticos mais visitados.

Como você sabe, listas sempre levantam debates, porque cada um tem a sua. Mas aqui nós somos muito democráticos! 

Assim, ao final, use nossa caixa de comentários para dizer se concorda com as nossas sugestões sobre o que fazer em Salvador, ou se deixamos escapar algo imperdível.

Praias

Quem vai a Salvador, claro, está atrás também das belas praias. E há diversas delas em diferentes pontos da cidade, cada uma com características bem próprias.

As praias de Salvador oferecem experiências distintas entre si.

As mais centrais, como a praia da Barra, são mais agitadas. Mais ao norte da cidade, por sua vez, você encontra lugares mais calmos. Cabe a você considerar qual vibe quer encarar.

A seguir, vamos abordar alguns dos principais pontos do litoral de Salvador e, quem sabe, ajudá-lo a escolher o ideal. Vamos lá?

1. Praia do Porto da Barra

Praia do Porto da Barra
Crédito: José Luiz Gonzales (Flickr)

Com cerca de 600 metros de orla, a praia do Porto da Barra é uma das preferidas por quem está em viagem a Salvador.

Além da beleza, ela é de fácil localização, estando a apenas quatro quilômetros do centro.

A praia oferece vista privilegiada da Baía de Todos os Santos, e tem entre suas atrações as diversas piscinas naturais, que se formam devido às formações rochosas.

Assim, durante o período de maré baixa, suas águas calmas e cristalinas fazem da praia do Porto da Barra uma das melhores para o banho, inclusive para as crianças.

É na Praia do Porto da Barra que fica também um dos primeiros portos de Salvador, o Forte de Santa Maria. Lugar legal para se fazer fotos e começar a conhecer um pouco da riqueza histórica da cidade.

2. Praia de Ondina

Praia de Ondina
Crédito: Cristianmar Betancourt (Flickr)

Localizada no bairro de Ondina, um dos mais nobres de Salvador, essa praia é ótima para banho.

Assim como no Porto da Barra, ela conta com trechos com piscinas naturais de águas calmas graças às rochas à beira-mar.

A parte sul é um lugar perfeito para descanso. Há diversas barracas e que oferecem deliciosos petiscos e drinks saborosos.

Assim, com um bom protetor solar, pode-se passar horas contemplando o mar e aproveitando ao máximo os quitutes oferecidos.

O lado norte, por sua vez, possui águas mais agitadas.

De fato, a área costuma ser frequentada por surfistas devido à ausência de barreira de arrecifes, que faz a quebra das ondas ótima para a prática do surfe.

A região é rodeada de hotéis de luxo e conta com restaurantes renomados. Trata-se, portanto, de uma bela região para jantar com bastante sofisticação.

Vale ressaltar que, devido a toda essa infraestrutura, a orla é bastante movimentada, em especial aos finais de semana.

Quem curte carnaval também precisa conhecer a Praia da Ondina – se é que já não conhece. Isso porque é no bairro que fica o último trecho por onde passam os trios elétricos do circuito Barra-Ondina durante a folia de Momo. 

3. Praia de Stella Maris

Praia de Stella Maris
Crédito: Ruiz Bahia (Flickr)

Esta é outra praia que fica em área nobre de Salvador, mas tem uma pegada um pouco diferente.

Com extensa área de areia, belos coqueirais e rodeada de condomínios, a praia de Stella Maris é perfeita para quem quer sair do movimento das praias mais centrais da cidade.

Há trechos de mar calmo, com piscinas naturais, e outros de mar agitado, próprio para a prática de surfe e bodyboard – a região, inclusive, costuma abrigar competições dessas modalidades esportivas.

O local também oferece inúmeras barracas na areia. Algumas são bem grandes, com suas estruturas mais parecendo com a de restaurantes.

Portanto, já sabe: se a ideia é curtir uma praia com toda a infraestrutura e em um lugar mais reservado, uma ida até Stella Maris tem tudo para ser perfeita.

4. Praia do Flamengo

Praia do Flamengo
Créditos: Amanda Saldanha (Flickr)

Eis um dos melhores destinos turísticos de Salvador para quem vai à cidade atrás das belas praias.

Localizada na região norte de Salvador, perto da divisa com a cidade de Lauro de Freitas, a Praia do Flamengo tem perfil parecido à de Stella Maris, que fica a apenas dois quilômetros dali: mais afastada, com belezas naturais e boa infraestrutura.

A praia conta com pequenas dunas, que dão ao local um ar ainda mais paradisíaco.

Não bastasse isso, o local conta ainda com uma extensa faixa de areia, mar azul e é rodeado por coqueiros.

Paraíso que chama, não é mesmo?

5. Praia de Itapuã

Praia de Itapuã
Crédito: Francisco Aragão (Flickr)

Vinicius de Moraes um dia escreveu: “É bom / Passar uma tarde em Itapuã / Ao sol que arde em Itapuã / Ouvindo o mar de Itapuã / Falar de amor em Itapuã”. 

E se o poeta diz que é bom, quem somos nós para discordar, não é mesmo?

Localizada ao norte da cidade, a apenas seis quilômetros da Praia do Flamengo, a Praia de Itapuã é outro destino imperdível para quem está com viagem marcada para Salvador.

Esse trecho de areia, aliás, é um dos preferidos dos moradores da cidade.

Infraestrutura é o que não falta. Há muitas barracas oferecendo os melhores quitutes, inclusive um dos mais famosos da capital baiana: o acarajé da Cira.

A praia está fora da Baía de Todos os Santos, sendo banhada diretamente pelo Atlântico. Por isso, assim como em Stella Maris, é muito procurada para a prática do surfe e windsurfe.

O lugar também tem um ponto turístico muito procurado para fotos: o Farol de Itapuã. 

Ah, nesse canto da cidade também foi identificado um ponto de desova das tartarugas-marinhas, passando a receber atenção do Projeto Tamar. Não é demais?

E já que está por Itapuã, aproveite para ir até a Lagoa do Abaeté, um lugar lindo que fica  dentro da área de proteção ambiental Parque Metropolitano Lagoas e Dunas do Abaeté! 

Então, já sabe: se quiser vista agradável, praia tranquila, um delicioso acarajé e garantir as fotos para o Instagram, não deixe dar um pulinho até a Praia de Itapuã.

6. Praia do Forte

Praia do Forte
Crédito: jocas57102 (Flickr)

Essa não é na capital, mas eis um passeio que você precisa considerar.

Se você for a Salvador atrás de praias e tiver um tempinho, vale a pena pegar o carro e ir à Praia do Forte.

Localizada a 80 quilômetros da cidade no sentido de quem vai a Sergipe, a Praia do Forte está entre os destinos mais visitados do nordeste do Brasil

Muita gente considera o lugar como uma cidade – uma vez que possui boa infraestrutura, com agências bancárias, lojas, restaurantes e outros -, mas a praia na verdade é um distrito do município de Mata de São João.

O lugar oferece as mais diferentes atrações.

Além de um belíssimo litoral – são seis praias ao longo de 14 quilômetros de costa – e da importância histórica da região, a Praia do Forte fica próxima à reserva ecológica da Sapiranga, uma área que conta com cerca de 500 hectares de Mata Atlântica.

O destino também é reconhecido pela preocupação com a preservação ambiental.

É lá, por exemplo, que fica um importante centro do Projeto Tamar e que, em determinada época do ano pode-se fazer turismo para observar as baleias jubarte.

Em suma, trata-se de um roteiro que inclui praias de mar calmo, mergulhos e muita educação ambiental!

7. Pelourinho

Pelourinho - Salvador
Crédito: Uvanilson Oliveira (Flickr)

Agora que já falamos das praias, vamos falar da riqueza cultural, artística, histórica e arquitetônica de Salvador. E nada mais justo que começarmos pelo Pelourinho.

Patrimônio Histórico da Humanidade, o Pelourinho é visita obrigatória para quem vai à cidade. 

Trata-se da parte mais conhecida do Centro Histórico de Salvador.

O Pelourinho conta com muitos casarões, museus, cores, uma revitalizada Praça da Sé… Enfim, inspira cultura e história!

Aliás, o Pelourinho tem tudo a ver com a própria fundação da capital baiana. Também conta muita história do Brasil no período colonial.

Inclusive, o termo Pelourinho, é importante dizer, tem uma origem triste, remetendo a um brutal método de punição contra escravos.

Hoje, porém, quem cita seu nome logo associa a uma área muito alegre de Salvador.

Assim, o local conta com arquitetura marcante.

É nessa região que ficam a Catedral Basílica de Salvador, a Igreja do Rosário dos Homens Pretos e a Fundação Casa de Jorge Amado, para ficar só em alguns dos mais conhecidos.

A famosa ladeira também é mundialmente conhecida por ter sido escolhida pelo ídolo pop Michael Jackson para gravar um de seus clipes: em 1996, o astro usou a ladeira e o Largo do Pelourinho como cenário para a música They Don’t Care About Us, contando com a participação do Olodum e de moradores da região.

Além do encanto visual e histórico, o Pelourinho conta com diversos restaurantes, bares e atrações artísticas. Não dá para perder.

8. Fundação Casa de Jorge Amado

Fundação Casa de Jorge Amado
Crédito: Dario Nardacci (Flickr)

No Largo do Pelourinho está instalada a Fundação Casa de Jorge Amado – que não se deve confundir com a casa onde nasceu o escritor, que fica no Rio Vermelho.

A Fundação Casa de Jorge Amado foi criada em 1987 para preservar e difundir a obra dele e da mulher, a também escritora Zélia Gattai.

O espaço ocupa quatro andares de um casarão do século XIX, e entre os inúmeros centros culturais que a cidade oferece, esse é um dos que têm mais importância do ponto de vista da literatura.

Além de guardar o acervo e documentação a respeito de Jorge Amado e Zélia Gattai, a fundação oferece cursos, oficinas e seminários.

Devido à pandemia, as atividades chegaram a ser suspensas de forma provisória. Por isso, vale a pena entrar em contato antes de visitar.

9. Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos

Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos
Crédito: Heinz Giesbrecht (Flickr)

Também no Largo do Pelourinho, a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos tem fachada azul-celeste e é um dos pontos mais fotografados da região.

Declarada Patrimônio Mundial pela Unesco, a igreja começou a ser construída em 1702 pela Irmandade dos Homens Pretos para ser a igreja dos escravos.

Os azulejos que ornamentam o interior demonstram a devoção ao Rosário e foram fabricados em Portugal no fim do século 18.

A igreja tem altares em estilo neoclássico. Entre as imagens, destaque para a de Nossa Senhora do Rosário, datada do século XVII. 

10. Basílica Nosso Senhor do Bonfim, na cidade baixa

Igreja Nosso Senhor do Bonfim
Crédito: A.Davey (Flickr)

Também chamada de Igreja do Nosso Senhor do Bonfim, ou simplesmente Igreja do Bonfim, ela está localizada na Sagrada Colina, na península de Itapagipe.

A igreja tem estilo neoclássico, com fachada em rococó e duas torres laterais. Chama a atenção por suas dimensões e pela posição de destaque onde foi construída.

A Basílica Nosso Senhor do Bonfim é para o povo baiano seu maior centro de profissão da fé católica. Além disso, seu sincretismo religioso torna o lugar importante para quem professa outras doutrinas de fé.

É na Igreja do Bonfim que acontece a distribuição das famosas fitinhas, e é lá também que acontece todos os anos a Lavagem do Bonfim.

O evento acontece no mês de janeiro, sempre na quinta-feira que antecede o segundo domingo após o Dia de Reis.

Assim, se você quer saber o que fazer em Salvador no primeiro mês do ano, não deixe de participar deste que é um dos eventos mais tradicionais da Bahia.

11. Catedral Basílica de Salvador

Catedral Basílica de Salvador
Crédito: Luiz Antonio Dourado Gonçalves (Flickr)

Construída na segunda metade do século XVII, a Catedral Basílica de Salvador foi a primeira do Brasil, e por isso tem importância inestimável para a história do catolicismo no país.

Localizada no Largo do Terreiro de Jesus, a catedral passou recentemente por uma ampla reforma, que durou três anos e oito meses.

Ela conta com 30 bustos relicários totalmente restaurados.

Junto a dois de seus altares, esse acervo é considerado o mais importante do país quando o assunto é arte sacra do fim do século XVI – e, portanto, existente antes mesmo da própria construção da basílica.

Mas as belezas do interior da construção não param por aí.

A catedral conta com telas de diversos autores do século XVII, móveis em jacarandá e objetos em ouro e prata. Ao todo, são 13 altares folheados a ouro.

Para se ter uma ideia, foram usadas nada menos do que 50 mil folhas de ouro e cinco mil de prata para ornar o interior. 

Portanto, se quer saber o que fazer em Salvador tendo a temática histórica do Brasil como mote, não deixe de visitar a Catedral Basílica de Salvador.

12. Igreja de São Francisco e Convento de São Francisco

Igreja de São Francisco
Créditos: ChucoGOL (Flickr)

Se você quer saber o que fazer em Salvador dentre os variados roteiros possíveis, uma coisa é certa: a Igreja e Convento de São Francisco precisa estar em todos eles. Isso porque se trata de uma unanimidade.

Considerada uma das sete maravilhas de origem portuguesa no mundo, ela está localizada no Largo do Cruzeiro de São Francisco.

Sua construção data do fim dos anos 1700 e início dos 1800. A parte externa não chega a chamar muito a atenção, mas o interior…

Para você ter uma ideia, os guias da região se referem à Igreja de São Francisco como a Igreja de Ouro. Isso porque ele está por toda a parte, no teto, nas paredes e nas colunas.

A ostentação, claro, vem do período colonial, quando a igreja recebia a nobreza portuguesa. Atualmente, qualquer pessoa pode visitar o templo. Há cobrança de ingresso por valor simbólico.

13. Elevador Lacerda

Elevador Lacerda
Créditos: Rui Flavio Alves Barreto (Flickr)

O Elevador Lacerda é um dos pontos turísticos mais visitados da capital baiana.

Mas, para além de ser uma atração para quem visita a cidade, trata-se de um importante meio de transporte público para os moradores de Salvador.

Inaugurado em 1873, o Elevador Lacerda foi o primeiro elevador urbano do mundo.

Ele liga a Praça Tomé de Sousa, na Cidade Alta, à Praça Cairu, na Cidade Baixa. À época de sua inauguração, era o maior do mundo, com 63 metros de altura.

Atualmente, o Elevador Lacerda conta com duas torres, quatro cabines e se eleva a 73,5 metros. Ele tem capacidade para 128 pessoas divididas em quatro cabines.

A viagem dura 22 segundos e, em média, mais de 750 mil usavam o meio de transporte antes da pandemia.

Quer saber o que fazer em Salvador? Pois que tal pegar o Elevador Lacerda e olhar a capital de cima para clarear bem as ideias?

Ah, e ele funciona durante as 24 horas do dia! 

14. Mercado Modelo

Mercado Modelo
Crédito: Isaque Almeida (Flickr)

Pegou o Elevador Lacerda e subiu até a Cidade Alta? Pois então o próximo destino é o Mercado Modelo!

Localizado no centro histórico da capital baiana, o prédio de arquitetura neoclássica foi erguido em 1861 para abrigar a  Casa da Alfândega. Atualmente, conta com 250 lojas.

No Mercado Modelo você encontra de tudo, e é o lugar ideal para comprar souvenirs de Salvador.

Por lá você adquire peças de artesanato, roupas, doces, cachaças e, claro, as famosas fitinhas do Bonfim.

Se bater a fome, o Mercado Modelo também reúne alguns dos restaurantes mais tradicionais de Salvador, como o Maria de São Pedro – considerado o primeiro restaurante típico a Bahia – e o Camafeu de Oxóssi.

15. Museu de Arte Moderna da Bahia

Museu de Arte Moderna da Bahia
Crédito: Ruiz Bahia (Flickr)

Instalado no Solar do Unhão, o Museu de Arte Moderna da Bahia foi fundado em 1959 e é o terceiro mais antigo do gênero no país.

É o principal espaço de arte contemporânea do estado. Cerca de 200 mil pessoas visitavam o MAM todos os anos antes da pandemia.

O Solar do Unhão conta com cinco salas para exposições, uma galeria ao ar livre  – chamada de Parque das Esculturas – e uma sala de cinema.

Sua localização também é privilegiada, oferecendo aos turistas um pôr-do-sol com uma vista maravilhosa.

Como você pode ver, o Museu de Arte Moderna da Bahia já seria convidativo por si só. Só que ele vai além.

Aos sábados, a partir das 18h, é possível ter boas horas de lazer e diversão no seu estacionamento.

Isso porque o espaço sedia um evento conhecido como JAM no MAM. Ele reúne artistas locais para se apresentar numa mistura de jazz e MPB

O evento sempre conta com apresentações de música instrumental com a Banda JAM no MAM, mas também é aberto para músicos se apresentarem sem ensaio prévio.

16. Farol da Barra 

Farol da barra
Créditos: Anderson Rodrigues da Silva (Flickr)

O Farol da Barra é o nome mais conhecido do, oficialmente, Farol de Santo Antônio. Trata-se de um dos patrimônios históricos mais conhecidos de Salvador. 

O Forte Santo Antônio da Barra foi construído há quase cinco séculos, em 1536. Foi a primeira fortificação do país.

Com altura impressionante, o Farol da Barra conta com 22 metros de altura.

A torre foi instalada em 2 de dezembro de 1839, numa homenagem ao nascimento de D. Pedro II. Ainda hoje está em funcionamento, emitindo feixes luminosos que podem ser vistos a 38 milhas náuticas de distância.

Dessa forma, o local é conhecido principalmente pela sua torre, mas o Farol da Barra não é apenas um lugar para você fazer aquela selfie clássica.

ALém disso, o lugar também abriga o Museu Náutico da Bahia, que conta com um acervo histórico formado por objetos de diversas épocas.

Há peças que chegaram a ficar submersas por três séculos!

17. Ponta do Humaitá

Ponta de Humaitá
Crédito: Luiz Antonio Dourado Gonçalves (Flickr)

O pôr-do-sol de Salvador é imperdível de qualquer ponto que você escolher, mas se pudermos dar uma dica, não deixe de ir à Ponta de Humaitá.

Localizada próximo ao Forte de Monte Serrat, esse é considerado um dos lugares mais charmosos de Salvador.

Portanto, a Ponta do Humaitá oferece uma bela vista da Baía de Todos os Santos, o que torna o fim de tarde uma experiência visual inesquecível.

18. Rio Vermelho

Bairro Rio Vermelho
Crédito: Antonio Carlos Bohnke (Flickr)

O bairro do Rio Vermelho é um dos lugares mais certeiros a se ir se você não souber o que fazer em Salvador à noite. 

Além da vista encantadora, a região que fica na orla da capital baiana é repleta de bares, restaurantes e baladas.

Por isso, reúne turistas e moradores de Salvador todos os dias.

A partir do fim da tarde, a região se torna ainda mais animada devido a sua diversidade de opções para comer, beber e se divertir.

No Rio Vermelho, você também encontrará diversas barracas que servem comidas típicas da Bahia.

O famoso acarajé, o vatapá e o bobó de camarão podem ser encontrados e com o inigualável sabor baiano.

Se estiver a fim beber com os amigos, opções de bares é o que não falta. Há desde os mais simples até os mais sofisticados. 

O que tem de bom em Salvador?

A melhor resposta para isso seria: tudo! Sério, você não vai ter problema em saber o que fazer em Salvador.

Além da orla de tirar o fôlego - que permite apreciar um pôr-do-sol único -, a cidade oferece um centro histórico maravilhoso e pontos turísticos para todos os gostos.

Numerosos centros culturais, igrejas históricas, museus, compra de artesanato do Mercado Modelo, uma noite animada no Rio Vermelhou2026 Basta escolher!

Onde passear em Salvador-Bahia?

De cara, não deixe de fora a dupla Mercado Modelo / Elevador Lacerda.

Enquanto o elevador liga a cidade alta à cidade baixa por um preço irrisório - e ainda permite uma vista esplendorosa da Baía de Todos os Santos -, o mercado oferece ótimas opções de compra a bons preços.

Vá também ao Pelourinho, passando pela Praça Castro Alves e chegando ao Pelourinho!

O que não pode deixar de conhecer em Salvador?

As igrejas. Pela importância histórica e beleza arquitetônica, elas devem ser roteiro obrigatório na sua viagem a turismo.

Se não puder ir a muitas, vá pelo menos à Igreja e Convento de São Francisco.u00a0